Disqus for Eclausuradas nas Histórias

Resenha: A Última Música



     Olá enclausurados, como vão vocês? Espero que estejam bem. A resenha de hoje é de “A Última Música” do divo Nicholas Sparks.
     Bem, vamos começar. Ronnie - apelido para Veronica - é uma garota revoltada, que mora com a mãe e com o irmão. Desde a separação de seus pais, seu rendimento escolar diminuiu, brigas começaram a surgir; revoltou-se completamente. Deixou até de tocar piano, que era o que mais gostava de fazer. Mas na questão do piano, tem uma explicação plausível. Seu pai, Steve, costumava passar tardes tocando piano com sua filha Ronnie, e os dois compartilhavam a mesma paixão pela música. Certo dia, Steve saiu para um concerto fora do país e nunca mais voltou para casa; Ronnie considerou abandono, e deixou de fazer tudo que lembrava o pai. Os pais se separaram e a partir daí tudo começou a mudar.

“A vida é um piano. Teclas brancas representam a felicidade e as pretas a angústia. Com o passar do tempo você percebe que as teclas pretas também fazem música.”
   
     Em um dia de verão, sua mãe decide que Ronnie e Jonah – seu irmão – iriam passar as férias na casa do pai, uma cidade pequena e praiana. No começo, Ronnie relutou ao máximo, mas acabou cedendo ao perceber a relutância da mãe.
     Chegando lá, viu que não tinha nada que lhe atraísse. Não quis nem falar com o pai, passou direto e foi conhecer a cidade. Na cidade, estava acontecendo um campeonato de vôlei, e Will, um jovem muito popular e bonito, estava competindo juntamente com o seu melhor amigo Scott. Quando vai recepcionar a bola, Will se esbarra com Ronnie, derramando o Milk shake que havia acabado de comprar. Ronnie fica com muita raiva, enquanto Will impede sua passagem, só se desculpando. Esse será um dos primeiros de muitos encontros (uhu \o/)
     Enfim, passam-se os dias e Ronnie vai fazendo as pazes com seu pai e começa a namorar Will depois de brigas e brigas. Tudo está tão bem, bom, é só o que parece. Eu não vou contar pra vocês, porque eu sou muito má, mas acontece uma coisa muito triste e que eu chorei rios lendo. Gente, leiam, não vou soltar spoilers, rs.

“— Você está gostando desse rapaz? Está gostando? Está gostando de verdade?
— Eu gosto dele de verdade.
— Sério?
— Isso é loucura?
— É. Um pouco. Mas o amor é assim, um pouquinho louco.
— Obrigada. Boa noite, pai.”

     As partes em que eu mais ri, foi com o Jonah. Gente, ele é muito engraçado, vocês não fazem ideia. Uma coisa que achei legal foi o ensinamento que o livro traz, comecei a repensar bem sobre o relacionamento que tenho com meus pais depois desse livro. Recomendo muito! Leiam e tirem suas próprias conclusões.
     Em relação ao filme, acho que Julie fez um bom trabalho. Não tenho muito do que reclamar da adaptação para o cinema.

“A vida, entendeu, era bem parecida com uma música. No começo, há mistério, e no final, confirmação, mas é no meio que resida a emoção e faz com que a coisa toda valha a pena.”

     Bom, eu não consigo expressar o quanto gostei desse livro e o quão ele é perfeito. Leiam, só não conto mais detalhes porque se não perderá a graça.

Trilha Sonora Indicada 



Sinopse: Aos dezessete anos, Verônica Miller, ou simplesmente Ronnie, vê sua vida virada de cabeça para baixo, quando seus pais se divorciaram e seu pai decide ir morar na praia de Wrightsville, na Carolina do Norte. Três anos depois, ela continua magoada e distante dos pais, particularmente do pai. Entretanto, sua mãe decide que seria melhor para os filhos passarem as férias de verão com ele na Carolina do Norte. O pai de Ronnie, ex-pianista, vive uma vida tranquila na cidade costeira, absorto na criação de uma obra de arte que será a peça central da igreja local. Ressentida e revoltada, Ronnie rejeita toda e qualquer tentativa de aproximação dele e ameaça voltar para Nova York antes do verão acabar. É quando Ronnie conhece Will, o garoto mais popular da cidade, e conforme vai baixando a guarda começa a apaixonar-se profundamente por ele, abrindo-se para uma nova experiência que lhe proporcionará uma imensa felicidade – e dor – jamais sentida. Uma história inesquecível de amor, carinho e compreensão – o primeiro amor, o amadurecimento, a relação entre pais e filhos, o recomeço e o perdão – A ULTIMA MÚSICA demonstra, como só Nicholas Sparks consegue, as várias maneiras que o amor é capaz de partir e curar seu coração. 



10 comentários:

  1. Arrependo-me de ter assistido ao filme antes de ler o livro. Porém, gostei muito do enredo da história, afinal, é Nicholas.

    Larissa,

    garotameiosangue.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Se eu não fosse tão critica em relação ao Sparks, diria que leria em breve, mas apesar da escrita envolvente dele não sou fã de suas obras. Pretendo assistir o filme em breve pra quem sabe mudar de ideia.

    Beijos
    @LeitoraIncomum
    www.leitoraincomum.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Mariana!
    Já tentei ler alguns livros do Sparks, mas nenhum me agrada. Talvez seja pelo romance em excesso, ou porque todas as histórias parecem a mesma... não sei, mas ele definitivamente não é um dos meus autores favoritos.

    Beijos,
    Gabe
    http://desejosdesabado.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Realmente, Gabe. Algumas das pessoas que conheço, falam principalmente disso, o romance em excesso; mas eu sou daquelas pessoas que gostam de coisinhas bonitinhas e melosas, rs.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Aaaaaaaaaaaaaaaaim Mari, eu gosto tanto de A Última Música! *------------------------*

    Acho que é um dos melhores livros do Nicholas, por que ele é tocante, emocionante, engraçado, simples e com demonstrações de amor de várias formas que fazem meu coração se espremer so de lembrar de tudo que eu senti quando li. O filme é lindo, não gosto da Miley Cyrus, mas essa trilha de She Will Be Loved do M5 *suspiros* A - M - O!



    Beijos,

    Raphaela
    @EqualizeLeitura
    { http://equalizedaleitura.blogspot.com.br/ }

    ResponderExcluir
  6. Olá,


    Já assisti o filme mas ainda não li o livro. Minha irmã está lendo e amando.
    O filme é bem emocionante, e pelo jeito o livro também deve ser.


    André Luiz
    www.viajandonoslivros.com

    ResponderExcluir
  7. Raphita, esse livro me tocou tão profundamente, que eu não consegui pôr em palavras aqui, rs :c Eu também não gosto da Miley, mas o filme ficou bem legal, não tenho muito do que reclamar dele.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Ahh, também adoro este livro!
    Jonah é um amor/pirralho de irmão <3
    Este foi o segundo livro do Sparks que li, então, tudo ainda era novidade e eu não morria de ódio do destino que ele dava para seus personagens rs.
    Me tocou muito e também me fez pensar no meu relacionamento com meus pais...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Stephanie Cipriano Jeevas30 de novembro de 2012 10:11

    Eu li esse livro,é realmente muito bom !

    ResponderExcluir
  10. como não amar os livros de Nicholas Sparks,emoção a flor da pele.

    ResponderExcluir